Institucional Candidatos Empresas

Saiba o que parar, continuar ou incorporar à área de RH em 2020

O fim do ano se aproxima, fechando ou atualizando muitos ciclos profissionais Brasil afora. Se por um lado, os colaboradores costumam aproveitar essa época para fazer uma recapitulação sobre sua trajetória nos últimos 12 meses e buscar melhores oportunidades para o ano que está por vir, cabe à área de gestão de pessoas observar, analisar e implementar tendências de RH que já estão batendo nas portas das organizações.

Mas será que o RH está preparado para as novidades que estão pairando no ar e prometem chegar com força no próximo ano? Steve Browne, membro da associação americana de RH e diretor executivo de Recursos Humanos do LaRosa´s, rede americana de pizzarias, com 30 anos de experiência na área, criou um modelo interessante batizado de pare/continue/comece, que apresenta recomendações preciosas para você refletir já em 2020. Veja o que manter, começar ou simplesmente abandonar no seu cotidiano, do ponto de vista estratégico de gestão de pessoas, nessa nova década.

Pare!

Não coloque as pessoas em segundo lugar: os dias de “primeiro a política da empresa e depois os funcionários” devem ser esquecidos. Isso é antiquado e nunca foi efetivo, segundo Browne. As regras devem existir para estruturar a organização e dar parâmetros para os profissionais, porém não devem ser priorizadas em detrimento dos colaboradores e suas necessidades.

Não seja a patrulha da companhia: nunca podemos esquecer que os profissionais desejam ter um bom desempenho. Isso é óbvio. Por isso, precisamos pensar positivamente, ao invés de tentar controlá-los. O controle é um mito. Veja o RH como uma área que apoia e motiva os colaboradores e que não apenas impõe e cobra regras dentro do ambiente de trabalho.

Acabe com a fofoca: interrompa o hábito de falar sobre as pessoas e comece a falar com elas. Fuxicos são destrutivos. Não permita que as fofocas se disseminem na empresa. Se há preocupações com relação a um colaborador, ouça as pessoas envolvidas, avalie a situação e enderece as queixas às pessoas diretamente atingidas.

Não mantenha as práticas de RH dentro do RH: o departamento não deveria ser acionado somente quando necessário. Não queira ser avisado apenas em casos de emergência, porque isso prova que a função da área está sendo negligenciada. Torne o RH presente, visível e integrado a todas as áreas da empresa.

Continue!

Escute: os colaboradores precisam de alguém consistente, seguro e acessível dentro da empresa. Seja essa pessoa que verdadeiramente ouve e foca no lado humano. E isso pode acontecer em situações sérias ou mesmo em eventos de confraternização.

Seja um coach: recrutadores conectam pontos e, esses pontos, geralmente, são pessoas. Todo momento de encontro é uma oportunidade de ensinar. Quando você se aproximar dos colaboradores, procure ter conversas que vão além do cargo dele, interaja, ouça e ensine.

Valorize o momento: “Esteja lá quando eles estão lá.” O lema de Browne nos motiva a remover as distrações e focar no ser humano. Esteja presente quando o profissional lhe procurar. Deixe de lado celular, e-mail e trabalho por uns instantes. Todas essas coisas ainda estarão lá após você dar atenção ao colaborador.

Comece!

Seja parceiro da diretoria: O papel do RH é fazer com que cada pessoa, individualmente, tenha sucesso. E isso inclui o CEO e os membros da diretoria. Não espere que eles venham lhe trazer um projeto ou uma questão, vá até eles regularmente. Quando você lembra ao CEO e aos diretores que eles são colaboradores também, você constrói uma estrutura de trabalho mais saudável. Expresse que você pode ajudá-los a ter êxito, assim como faz com os outros funcionários.

Lidere a cultura: o RH pode conduzir a cultura da empresa, como o leme de um barco. A área ajuda a formar os principais comportamentos de manobra, como as condutas de tratamento entre os funcionários e os métodos para sair de confrontos e crises que surjam na organização.

Permita que as pessoas sejam quem são: Muitas empresas afirmam que as pessoas podem ser elas mesmas durante o horário de trabalho. Isso não é verdade. Temos medo de como essa liberdade pode parecer e costumamos esperar o pior. Essa postura tem que mudar. Expresse claramente as normas e os parâmetros da sua organização e abra espaço para os colaboradores se expressarem. Você se surpreenderá positivamente sobre o quão incrível é o ambiente corporativo quando as pessoas não precisam se esconder atrás de máscaras. Será criada uma cultura admirável e muitos talentos de fora desejarão participar dela.

Divirta-se: A área de RH é divertida, bem como as pessoas. Sim, empregados podem ser problemáticos e, ainda assim, maravilhosos. Então, lembre-se que você é um colaborador como eles e defina um novo padrão de lazer no trabalho. Essa medida causará um impacto bastante positivo. Tente!