Institucional Candidatos Empresas

Em um ambiente em que algumas habilidades são escassas, encontrar, reter e conduzir o devido engajamento dos colaboradores continua sendo um dos maiores desafios da área de gestão de pessoas. Esse foi um dos achados de uma pesquisa conduzida pela Consultoria Axelos. No estudo, um pouco mais da metade (51%) dos gerentes de RH afirmam ter dificuldade em encontrar pessoas com as habilidades certas para fazer o trabalho requerido; e quando encontram há dificuldade em manter o engajamento dos colaboradores.

E esse cenário só tende a piorar dadas pesquisas de tendência da área. Um estudo produzido pela MRI Network mostra que 90% dos recrutadores pesquisados acreditam que “os candidatos estão agora no comando” — a mais alta dessa métrica em cinco anos. E cada vez mais os profissionais buscam comentários de outros funcionários das empresas para avaliar se topam ou não trabalhar nas organizações que o estão procurando. Eles querem saber se a empresa e os chefes respeitam os colaboradores, se adotam politicas de trabalho que incentivam o trabalho remoto, o horário flexível e por aí vai. 

Portanto, medir o nível de “felicidade dos funcionários” passa a ser chave de sucesso das organizações, tanto para a atração como para a retenção de talentos.  Aqui é bom destacar que funcionários infelizes na organização são uma bomba relógio. Eles têm um impacto negativo enorme em todos os outros colaboradores e tendem a contaminar o ambiente de trabalho.  

Mercado de apps 

Para dar uma mãozinha nessa jornada, um novo mercado de aplicativos que medem esses indicadores surgiu: os aplicativos de feedback dos funcionários. E na vitrine dos gadgets, há desde tecnologias que aplicam uma pesquisa rápida de 15 minutos para monitorar a relação entre líder e liderados, passando por apps que reúnem insights sobre causas de insatisfação de funcionários, até um conjunto de ferramentas de experiência do funcionário, que ajudam as empresas a auditar a experiência que estão oferecendo a seus colaboradores. 

Todavia, após a contratação de muitos aplicativos móveis, há uma queixa quase que comum a todos: sem uma plataforma abrangente de comunicação da força de trabalho, a tecnologia simplesmente não funciona conforme o esperado.

E os dados confirmam essa tese. Uma pesquisa da Gallup diz que apenas 1/3 dos funcionários estão envolvidos ativamente com suas organizações, já os dados da Glassdoor, um site que permite que os funcionários classifiquem seus empregadores, é possível ver uma discrepância entre as organizações. Enquanto algumas empresas estão indo muito bem, muitas estão indo bem mal.  

Dicas de aplicação dos apps

Assim sendo, antes de contratar qualquer app é preciso antes fazer uma lição de casa, observando os seguintes elementos:

  1. Verifique os canais de comunicação interna de sua empresa. Qual é o engajamento com esses meios? Será que eles são assertivos? Do ponto de vista da adoção, apenas 50% do sucesso é baseado na tecnologia que você usa. Os outros 50% se baseiam na estratégia de conteúdo, no plano de distribuição e no suporte contínuo do seu fornecedor.
  2. Observar a adesão de seus funcionários ao problema solucionado pelo app. Não adianta a tecnologia resolver um problema que não é real ou que não foi citado como prioritário pela sua força de trabalho;
  3. Observe se o gadget pode ser integrado com os demais dados do ATS da organização;
  4. Selecione o software móvel que fornece informações e análises fáceis de usar. 
  5. Verifique a usabilidade do aplicativo. Ele deve ser flexível, com recursos como modelos de conteúdo, notificações por push e recursos de vídeo. Não precisa ser complexo, mas ter os recursos certos para engajar seus colaboradores;