A tecnologia traz economia financeira, de tempo e alcança um maior número de candidatos

Como e quando fazer videoentrevista? Essas perguntas são frequentes no R&S moderno. Até pouco tempo, o processo padrão de recrutamento incluía seleção de currículo, ligação para o candidato, entrevista por telefone e uma conversa presencial na empresa, mas a tecnologia avançou e os vídeos tomaram conta do nosso cotidiano, invadindo também a área de Recursos Humanos.

Hoje, a estratégia de R&S assimilou mais uma etapa ao seu processo: a entrevista a distância.

Quando fazer videoentrevista em processos seletivos

A vídeo entrevista traz uma série de vantagens e torna o processo de recrutamento mais ágil e econômico, além de ampliar o alcance aos melhores talentos. Com a tecnologia, é possível entrevistar candidatos alocados em todos os cantos do mundo.

Ideal para funções remotas, essa tecnologia também faz sucesso quando integrada aos estágios iniciais de recrutamento de um emprego fixo. Ela pode ser realizada em tempo real ou em formato de vídeo pré-gravado.

Enquanto ao vivo, o recrutador interage mais com o candidato, coletando informações imediatas, no caso dos vídeos pré-gravados, os profissionais respondem a um questionário pré-elaborado e os algoritmos do programa observam se o candidato tem o fit da vaga.

O grande propósito é constatar se o profissional possui mesmo as competências e experiências relatadas no currículo e se ele se enquadra na cultura da empresa.

Especialistas da área de RH garantem que a entrevista a distância é uma ótima alternativa para candidatos e recrutadores. Acompanhe quando fazer videoentrevista e também dicas para ter mais sucesso em seus recrutamentos:

Economia de dinheiro

Enxugar o orçamento é ótimo para qualquer organização e incluir videoentrevistas nos processos de recrutamento, com certeza, reduzirá os custos, principalmente em casos de contratação de profissionais de nicho ou indivíduos alocados em diferentes partes do mundo.

Essa ferramenta também permitirá que você alcance uma gama maior de candidatos sem se preocupar com o budget. Entrevistar pessoalmente um executivo que mora em outra estado, por exemplo, exigiria que companhia cobrisse os custos de viagem e acomodação.

Dicas: as entrevistas por vídeo devem ser mais curtas que as no formato face a face. Recrutador, termine a conversa assim que necessário e evite seguir um roteiro rígido com perguntas pré-determinadas. Por fim, converse naturalmente e preste atenção às expressões faciais, ao tom de voz e à postura do candidato.

Economia de tempo

A preparação de uma entrevista é complexa e requer planejamento. Marcar as entrevistas por vídeos elimina o risco de gastar um dia inteiro com um candidato qualificado, mas que, no fim das contas, não é apropriado para a função.

Principalmente nos estágios iniciais, a vídeo entrevista não poupa apenas dinheiro, mas tempo, que é um recurso cada vez mais precioso. Além do mais, ela é conveniente e confortável para ambos, candidato e recrutador, e não requer deslocamentos físicos.

Dica: é aconselhável ter um plano B, caso caia a energia elétrica ou falhe a conexão com a internet, por exemplo. Tenha os contatos do candidato e veja se é possível conversar por telefone ou reagendar.

Sem enganos

Recrutadores experientes contam casos de processos nos quais o candidato se mostrava perfeito para o cargo, passando por todos os testes, mas que no momento da entrevista presencial tudo vinha abaixo.

Hoje, os profissionais têm acesso a várias plataformas e especialistas para auxiliar na criação dos melhores currículos e agradar aos recrutadores. Por isso, vale a pena conduzir uma vídeo entrevista nas etapas iniciais da seleção para confirmar a veracidade da qualificação e da experiência do candidato e ver se ele está apto mesmo para a posição em aberto.

Dicas: faça perguntas sobre o currículo e promova, se possível, testes para conferir se o profissional tem domínio das tecnologias utilizadas no trabalho.

Revelação da personalidade

Entrevistas a distância são importantes para avaliação da personalidade do candidato de modo mais natural. Como a conversa acontece em um local confortável, como a casa do candidato, e não na empresa, há chance maior de o entrevistado se portar de maneira mais relaxada.

Isso facilita a compreensão do temperamento e revela traços que não seriam tão perceptíveis em um encontro pessoal.

Dicas: considere o esforço do candidato em sua apresentação pessoal e fique ligado nos sinais da linguagem corporal. Veja ainda como o candidato reage a momentos mais informais ou a uma aproximação maior, porque isso mostra seu comportamento natural (se é mais introspectivo ou comunicativo, por exemplo).

Apelo à nova geração

Se a posição que você procura demanda um profissional mais jovem, criativo e individualista, é bem mais provável que o candidato aprecie a vídeo entrevista.

As novas gerações, Y e Z , vivem e respiram tecnologia, portanto propor essa alternativa fará sua companhia parecer mais atrativa e um local onde ele gostará de desenvolver a carreira.

Dicas: escolha a plataforma certa para sua entrevista a distância. Há softwares de recrutamento com tais recursos, assim como ferramentas generalistas, como Skype e Facetime.

Quer saber mais sobre processos seletivos? Confira então o que são soft skills e porque você deve valorizá-las.