Investir em políticas de combate ao preconceito contra LGBTQ+ nas empresas vai além de campanhas e cotas

O preconceito contra LGBTQ+ nas empresas ainda é uma barreira a ser vencida, tanto por parte das equipes quanto por gestores e pelo RH. Além de serem crimes, a homofobia e a transfobia sujam a imagem das companhias, assim como barram a entrada de profissionais talentosos.

Ainda que o assunto seja muito debatido, não é fácil criar e implementar maneiras de vencer esse preconceito e tornar o ambiente de trabalho mais humano e igualitário.

Investir em políticas inclusivas no ambiente corporativo vai além de campanhas contra preconceitos ou criação cotas de diversidade. Portanto, com o propósito de contribuir ainda mais para o encontro perfeito entre empresas e pessoas, o que só é possível com respeito mútuo, preparamos um guia de inclusão LGBTQ+ nas empresas. Confira:

Vantagens em contratar e apoiar LGBTQ+ nas empresas

De modo geral, combater o preconceito contra LGBTQ+ nas empresas reflete positivamente nos negócios.

De acordo com pesquisa da agência de publicidade Oglivy, conduzida nos EUA, quase metade de todos os americanos  são mais propensos a gastar dinheiro com marcas pró ao movimento.

Além disso, boa parte dos que suportam esse grupo socialmente excluído foi categórico em afirmar que não compra produtos e seviços de marcas de empresas que não promovem igualdade no ambiente de trabalho.

Como combater o preconceito contra LGBTQ+nas empresas

A primeira coisa é aceitar que o preconceito existe e que se trata de um problema social e não de mimimi, como muitos afirmam.

Vale ainda estabelecer parcerias com organizações que conhecem as dores desse grupo e sabem a melhor forma de diminuir esses problemas. Um exemplo é a plataforma TransEmpregos, criada em 2013, que tem como objetivo incentivar a inclusão de pessoas trans no mercado de trabalho.

Além de ser um grande banco de currículos, em que indivíduos e empresas podem se cadastrar, a TransEmpregos também trabalha com ações, como capacitações, recrutamentos e palestras por todo o Brasil.

Separamos outras dicas que podem ser aplicadas para diminuir preconceitos dentro da sua organização.

Estabeleça políticas de inclusão

Para garantir que todos os funcionários se sintam seguros e confortáveis, é importante que as organizações desenvolvam políticas claras de combate à discriminação e as apliquem de maneira consistente e justa.

Pesquisas em psicologia social descobriram que instruções claras para evitar estereótipos podem ser uma maneira eficaz de reduzir o viés inconsciente.

Além disso, é necessário que essas políticas de inclusão sejam verdadeiras e envolvam as lideranças. Por exemplo, não adianta dizer que há cotas de contratação de LGBTQ+, mas na prática promover o distanciamento desse público.

Crie um canal de denúncias

Aprender a arte da redução de conflitos, especialmente em questões de diversidade, não é fácil e, por vezes, esbarra na dor alheia, como a denúncia de que um funcionário está incomodando um colega homossexual.

Abra um canal de queixas, com a possibilidade de anonimato, e incentive os colaboradores a usá-lo.

O RH também precisa fazer a sua parte: quando um funcionário fizer uma denúncia, não deixe de investigá-la imediatamente.

Faça uma declaração de igualdade

Uma missão bem escrita deve refletir não apenas os objetivos, mas também os valores da sua empresa. Portanto, se possível, escreva uma declaração de igualdade em sua missão.

Promova treinamentos de diversidade e inclusão

Para ser mais eficaz, o treinamento em diversidade e inclusão deve ser disponibilizado aos funcionários em todos os níveis, não apenas à gerência.

Debates em grupos podem ser uma maneira fácil de reunir funcionários na mesma sala para discutir questões importantes e experiências pessoais, gerando a empatia ao tema.

Ofereça benefícios equivalentes

Se sua empresa se diz inclusiva, ela precisa estabelecer igualdade a todos. Se o marido de uma funcionária tem direito de receber assistência médica a parceira de uma profissional lésbica também deve ter o mesmo direito.

Cubra e apoie seus funcionários, independente de sua opção sexual.

Para saber mais sobre a causa LGBTQ+, leia nossa reportagem sobre transexuais no mercado de trabalho.