Veja razões para liberar a entrada de bichos de estimação na empresa por pelo menos um dia

Se você é como a maioria das pessoas no Brasil, tem um animal de estimação. E muito provavelmente esse animal de estimação é um gato ou um cachorro. Você se levanta de manhã, segue uma rotina e sai para o trabalho, enquanto seu pet fica em casa e aguarda seu retorno. Mas e se você levasse seu animal de estimação para o trabalho? Esta é a proposta do Pet Day.

Ao perceberem a importância dos animais de estimação e como eles passam os dias sozinhos em casa, alguns empregadores criaram um dia para trazer os animais de estimação ao trabalho. O esforço também visa aumentar a satisfação e o engajamento dos colaboradores. Saiba mais:

Benefícios do pet day

Embora o dia “Dia de trazer o pet para o trabalho” possa modificar a rotina e a dinâmica do escritório, os benefícios superam as desvantagens.

Estudos da Universidade de Missouri-Columbia e da Universidade de Virginia descobriram que ter cães no trabalho por um dia diminui um pouco a produtividade, mas em compensação reduz o estresse, aumenta a satisfação e melhora o humor dos funcionários. Assim, as horas de distrações certamente são superadas pelo aumento do engajamento nos demais dias trabalhados.

Em contramão, o mesmo estudo descobriu que empresas pet friendly – aquelas que permitem que os funcionários tragam seus animais de estimação regularmente, em vez de apenas um dia por ano – não perdem em produtividade, pelo contrário: experimentam níveis elevados após o desgaste da novidade inicial.

Além disso, animais de estimação podem ter um efeito positivo na interação social entre funcionários. Na verdade, estudos observaram um melhor ambiente social em escritórios que permitem cães e gatos, resultando no aumento da frequência de conversas e um vínculo mais estreito entre colegas de trabalho.

Desafios e como resolvê-los

Embora o pet day pareça a maneira perfeita de engajar funcionários, ele não é agradável a todos. Provavelmente todas as pessoas conhecem alguém que tem medo, alergia ou simplesmente não gosta de animais.

Portanto, como empregador, você deve estar familiarizado com os seguintes desafios:

Colaboradores com alergias

Algumas pessoas são alérgicas a certos tipos de animais de estimação. Nesse caso, documente suas restrições de saúde.

Também mantenha os animais em certas áreas do prédio e os alérgicos em outras, sempre contando com o consentimento deles quanto a isso.

Mordidas e danos à propriedade

Mesmo o cão mais bonzinho pode ter um dia ruim ou reagir de maneira inesperada, afinal, assim como as pessoas, os animais de estimação não são totalmente previsíveis. Sempre existe a possibilidade de uma lesão, como uma mordida ou um arranhão, além de dano à propriedade da empresa.

Para se precaver, crie políticas sobre o que deve acontecer se um animal de estimação ferir alguém ou destruir propriedade. Solicite, ainda, que os colaboradores somente tragam animais calmos e sociáveis ao ambiente de trabalho.

Restrições do proprietário do edifício

Por mais que a empresa goste de animais de estimação e deseje que os funcionários os tragam, nem todas possuem prédios próprios. Então, é necessário verificar com proprietários do local se pets são permitidos.

Certifique-se ainda que os regulamentos de saúde e segurança permitem animais de estimação no escritório.

Como organizar o pet day na empresa?

Comece criando um grupo de trabalho com os principais tomadores de decisão, como representantes do RH e da gestão da companhia. Então, é hora de pensar nas estratégias para organizar o pet day, o que pode parecer uma tarefa difícil, especialmente quando se consideram as preferências individuais dos funcionários, como aqueles que têm alergias a pelos, não gostam de ruídos e têm fobias. Mas não se preocupe: é mais simples do que parece.

Se você estiver pronto para permitir que os pets se juntem a seus donos no trabalho, aqui estão algumas dicas:

Passo 1: faça uma votação

O primeiro e mais importante passo antes de adotar o pet day na empresa é certificar-se de que ninguém se opõe diretamente ao evento. Faça uma pesquisa anônima com o maior número possível de funcionários e tente formular perguntas para que aqueles que desejam evitar cães e gatos não se sintam culpados por admitir isso.

Passo 2: verifique com o seguro

Os donos dos animais de estimação devem ser responsáveis ​​por qualquer lesão ou dano ao patrimônio da empresa, por isso verifique com sua seguradora se há cláusulas que garantem isso. No melhor cenário, a apólice cobrirá qualquer evento relacionado a pets no escritório.

Passo 2: organize datas

Assim como humanos, animais têm diferentes personalidades: cachorros são mais carentes, enquanto gatos independentes; algumas pessoas têm animais agitados, outros muito tímidos.

A fim de tornar a experiência o mais tranquila o possível, considere dividir o pet day em várias datas, cada uma para animais de estimação compatíveis.

Passo 3: defina regras e limites

Todo evento deve ter regras e o pet day não é diferente. Divulgue as normas antes do dia D, como espécies aceitas, obrigatoriedade do uso de coleiras, necessidade de comportamento sociável e imunização para as principais doenças. Para não tornar o evento sério demais, publique as regras com linguagem amigável e divertida.

Defina também alguns espaços exclusivos para quem não é muito receptivo aos bichinhos trabalhar, descansar e comer.

Passo 4: verifique regularmente

No pet day, certifique-se que as regras sejam colocadas em prática. Caso deseje aumentar a diversão, chame um adestrador para mediar brincadeiras entre animais e donos.

Passo 5: se você tudo der certo, pense em expandir

Se o pet day na empresa for bem-sucedido, considere expandi-lo. Realizar o evento bimestralmente, mensalmente ou até mesmo tornar sua empresa pet-friendly são algumas opções.

Quer saber mais sobre inovações em RH? Então confira nosso artigo sobre semana de quatro dias.