Estratégia é usar ferramentas para conseguir avaliar o que não está no currículo

Está lançado o desafio: contratar a pessoa certa para o cargo certo. Isso significa achar um profissional que reúna conhecimentos, habilidades e comportamentos adequados para o cargo.

Segundo Jorge Matos, presidente da ETALENT, achar uma pessoa que reúna esses atributos parece simples e óbvio, mas na prática não é o que acontece – prova disso é a altíssima taxa de turnover que assombra as empresas. O que acontece, então? Muitas vezes, a avaliação dos conhecimentos e habilidades das pessoas prevalece e a questão comportamental acaba ficando de lado. É justamente aí que mora o problema.

Por exemplo, se Steve Wozniak, que foi quem fez de fato o primeiro produto da Apple, tivesse ficado com a missão de criar as estratégias comerciais da empresa e as apresentações para os possíveis clientes, provavelmente não conheceríamos a maçã mordida que estampa tantos produtos eletrônicos.

Ao mesmo tempo, se Steve Jobs tivesse ficado com o papel de bolar o equipamento, o resultado também não teria sido o que vemos hoje. Ambos eram gênios e tinham amplos conhecimentos de tecnologia, mas o que motivava cada um e a forma de se comportar era bem diferente.

O segredo para contratar os melhores profissionais para o cargo certo está em utilizar ferramentas que avaliem aquilo que não está estampado no currículo, mas que será a diferença entre a alta performance e a rotatividade: o comportamento, a essência do candidato versus a essência do cargo.

E o melhor de tudo é que isso está ao alcance de qualquer recrutador. Muitas empresas já acordaram para o fato de que é necessário contratar a pessoa certa para o cargo certo, outras ainda estão no caminho do descobrimento. Qual é o seu caso?

Quer saber mais sobre recrutamento e seleção? Então entenda de uma vez por todas a importância do feedback em entrevistas.