Veja os motivos que afastam as mulheres do topo das organizações

Muito se fala sobre liderança feminina nas organizações, mas, na prática, o discurso ainda não saiu do papel. Apenas 23 empresas das 500 listadas na Revista Fortune são lideradas por CEOs mulheres. Se elas são tão qualificadas quanto eles para liderar, por que ainda existe essa disparidade tão grande no topo das companhias?

Por que ainda há pouca liderança feminina?

No momento que igualdade e inclusão são tópicos em debate para o futuro do trabalho, precisamos entender o que está impedindo as mulheres de ascender às cadeiras mais desejadas da empresa. O relatório Crise de líderes femininas, focado nas indústrias de varejo e bens de consumo, fornece algumas pistas.

Segundo o levantamento, muitos motivos que impedem a ascensão feminina nas organizações resultam de vieses e barreiras culturais e sistêmicas da organização, tais como:

Falta de representatividade: como não há muitas mulheres no poder, elas não têm figuras inspiradoras femininas, o que contribui para o sentimento de isolamento e de falta de capacidade;

Favoritismo: os chefes tendem a promover pessoas que pensam e agem como eles, sem promover a diversidade. Então, se há mais homens em posições de liderança, eles cederão os cargos mais desejados a seus semelhantes;

Poucos programas de incentivo à liderança feminina: não há patrocínio e apoio suficiente às mulheres para promovê-las no caminho da liderança;

Falta de política de horários flexíveis: isso permitiria às mulheres atenderem melhor às demandas do trabalho e da vida doméstica.

O papel delas na sociedade

O gênero não deveria ser um fator para uma pessoa ser ou não líder – a capacidade de comando deve depender de suas habilidades técnicas e comportamentais. No entanto, sabemos que a realidade não é bem essa. Em muitas organizações, as mulheres não são incentivadas a assumir papéis de gestão com a mesma frequência que os homens, contribuindo para desequilíbrio entre quem está no poder. Esse é um problema real e que depende de muito diálogo e políticas corporativas.

Contudo, há também uma reflexão interna que mulheres na liderança ou que aspiram a cargos de gestão precisam fazer para vencer receios e pavimentar o sucesso. E o principal, que é um tabu para muitas empresas, é a gravidez. O mundo corporativo ainda trata com distinção homens e mulheres dado o contexto da maternidade, mas, internamente, a mulher também precisa lutar contra monstros.

Muitas acabam, por exemplo, postergando a maternidade, ou têm problemas no equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Por um lado, é culpa do modelo social que adotamos – a mulher no centro do cuidado da família – e, por outro, porque as mulheres ainda assumem esse papel exclusivamente para si.

E essa responsabilidade acaba levando-as a dois caminhos:

  1. Elas abandonam a carreira para criar suas famílias;
  2. Abraçam o empreendedorismo.

Não que essas opções não sejam válidas, mas muitas vezes são mais uma barreira para o ingresso da liderança feminina no board das empresas.

Dicas para líderes mulheres

Em contraste com os homens, que tendem a se concentrar na carreira e querem maximizar o retorno financeiro com o emprego, as mulheres veem o trabalho de forma mais holística. Portanto, é mais provável que elas abordem suas carreiras de maneira autorreflexiva e valorizem fatores, como significado, propósito, conexão com colegas de trabalho e integração entre vida profissional e pessoal.

Confira cinco dicas sobre liderança feminina para não deixar a peteca cair no topo da organização:

Compartilhe histórias e fale sobre desafios

Compartilhar histórias de sucesso e de dificuldades é muito importante para a liderança feminina criar empatia no local de trabalho. Pode ser assustador dividir vulnerabilidades, mas ao fazê-lo você ganhará a simpatia de colegas de trabalho e de liderados.

Ninguém gosta de pessoas que escondem problemas e só exaltam as glórias. O caminho para a liderança feminina é sobre aprender, crescer e evoluir. Portanto, cerque-se, constantemente, de pessoas que te veem como líder, e como alguém que se pode confiar.

Livre-se da liderança masculinizada

Uma das piores coisas que uma liderança feminina pode fazer é pensar ou agir como um homem para chegar ao topo. Você não precisa assumir uma liderança masculinizada para ser respeitada. A mulher tem uma visão holística necessária para engajar equipes por meio da razão e da sensibilidade, não pelo medo e opressão.

Lembre-se: uma mulher, quando se torna membro ativo da liderança, também tem a oportunidade de mudar a dinâmica dos relacionamentos e visões da organização.

Acredite que você pode

As líderes mulheres nem sempre percebem como estão preparadas para o sucesso, mas seu potencial e habilidades são inegáveis. Contudo, há fatores que dificultam a chegada delas ao topo da organização, como a autoconfiança. Aqui, vale citar o ditado popular: “Se você mesma não acredita em si, será difícil para os outros acreditarem”.

Não se questione. A cada vez que sentir um possível aprimoramento nos negócios, é hora de agir. Sejam mudanças em uma operação existente, novas maneiras de atrair talentos ou ideias inovadoras para o produto. Você terá de tomar coragem para seguir adiante, pois desafiará as percepções de seus colegas para conquistar a confiança da organização.

Não pare de acionar seu networking

Há uma razão pela qual todo líder fala sobre preservar o networking: ele é crucial para o sucesso. Portanto, explore uma série de eventos em que poderá exercitar seu networking. Quanto mais pessoas você conhecer, mais fácil será criar (e promover) sua rede pessoal de mentores em potencial, funcionários, parceiros de negócios ou profissionais a serem consultados periodicamente sobre determinados temas.

Aqui, também vale a dica para a liderança feminina estar em constante networking com seus clientes. Eles são a força vital de um negócio. Portanto, dedique tempo todos os dias para se comunicar com eles. Isso não pode ser feito apenas quando você estiver apagando incêndios. Assim, não só continuará desenvolvendo suas habilidades de comunicação, mas também se tornará acessível àqueles com quem sua equipe trabalhou duro para engajar.

Vise habilidades complementares

Muitos líderes aprenderam rapidamente que, embora estivessem mais inclinados a atrair pessoas cujas habilidades eram semelhantes às deles, isso não era útil para o crescimento da empresa. Em vez disso, aprenderam a identificar aqueles cujas competências complementavam as deles.

Não tenha medo de expor suas fraquezas e contratar aliados para supri-las. A liderança feminina segura e lucrativa da empresa depende dessa autoconsciência de quem está à frente dos negócios.

Gostou do artigo? Veja ainda, então, dicas sobre avaliações necessárias para contratar lideres.