Empatia, criatividade e resolver problemas complexos. Essas são apenas algumas das competências que o profissional de RH precisará dominar para vencer no mundo durante e pós-pandemia. Confira as demais!

“O dia em que a Terra parou”. Este será o tema da aula de professores de história, segundo a socióloga brasileira Lilia Schwarcz, para narrar como se deu o avanço da pandemia da Covid-19 às próximas gerações.

E foi exatamente essa sensação que muitos líderes de RH tiveram ao serem informados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) dos protocolos para evitar a disseminação da Covid-19. A Terra parou e o chão caiu. A área de gestão de pessoas teve de ser flexível e ágil para lidar com as novas demandas do “novo normal” do ambiente de trabalho e ainda enfrentar as distintas frustações dos colaboradores.

Passado o sufoco inicial – muitas empresas e profissionais sobreviveram à pandemia – mas como será o mundo daqui para frente? De que forma a área de gestão de pessoas precisa ficar atenta à nova onda da doença  no Brasil? Que tipo de habilidades o RH precisa conquistar ou acentuar para seguir liderando no mundo pós-pandemia?

Esses são alguns dos questionamentos que este artigo tentará responder para preparar a liderança de RH aos próximos desafios que estão porvir.

Segunda onda de Covid-19 no Brasil

Muitas empresas que estavam planejando um evento, pequeno e cercado de protocolos sanitários, para a festa de fim deste ano, tiveram de rever seus planos com a chegada da segunda onda do novo Coronavírus no Brasil. Mais uma vez o RH teve de recorrer a versão online de eventos.

A nova onda da doença foi responsável pelo crescimento da média móvel de mortes e infectados no Brasil. E esses números afetarão diretamente o trabalho da área de gestão de pessoas. Os profissionais à frente do RH precisarão ter muita resiliência para rever e, até cancelar muitos planos.

Além da resiliência, uma série de outras habilidades emocionais serão exigidas desses profissionais para lidar com novos e velhos problemas trazidos com um possível novo isolamento social, que ainda não foi inteiramente descartado.

Modo sobrevivência

“Não acho que estamos sobrevivendo a uma pandemia global para fazer as coisas da mesma maneira”, afirmou a autora de diversos artigos e livros sobre Recursos Humanos e carreira, Laurie Ruettimann, em matéria publicada pela Forbes. Na visão da autora, o isolamento social acentuou duas habilidades que serão mandatórias para sobreviver à pandemia: adaptação e a capacidade de resolver problemas.

Para a consultora de gestão de pessoas, Sue Bingham, o RH também precisará desenvolver uma nova capacidade central para sobreviver ao atual cenário: a mentalidade de complexidade.

“Podemos dizer que a Covid-19 mudou o campo de jogo. Hoje, os líderes de RH trabalham 24 horas por dia, tomando medidas sem precedentes para manter seus funcionários seguros e garantir a sobrevivência de suas organizações. Eles estão navegando em licenças, dispensas e reduções em vigor. Eles estão se ajustando ao trabalho remoto em massa; criando planos de continuidade de negócios, elaborando procedimentos de comunicação de emergência e evitando a propagação de germes no escritório”, destaca Sue em artigo publicado na Harvard Business Review.

De acordo com a especialista, todas essas questões estão sendo abordadas por meio de um processo familiar: definir o problema, abordar as variáveis que a tornam complicada e chegar a um acordo sobre a melhor maneira de avançar. No entanto, explica a executiva, a complexidade da Covid-19 exige do RH algo além desse modus operandis.

Sue defende que políticas de RH precisam ser constantemente modificadas, observando o cenário atual. Ela também afirma que abordagens do tipo “tamanho único”, ou seja, soluções massivas, sem considerar o contexto da cultura e das pessoas dentro das empresas, não serão a salvação da lavoura no mundo VUCA pós-pandemia.

Habilidades do RH no mundo pós e durante Covid-19

Existem muitas incógnitas sobre como o mundo será após o coronavírus, mas uma coisa é certa – a vida não voltará a ser como antes. Por incrível que parece, o lado humano e solidário ficou mais evidente nessa pandemia e, o que já era uma tendência, a contratação por soft skills, se acentuará nos próximos anos.

Um relatório da consultoria Deloitte considera que dois terços de todos os empregos até 2030 serão compostos por ocupações intensivas em habilidades soft.

Para os tempos durante e pós-pandemia, no caso do RH, habilidades sociais relacionadas incluiriam escuta ativa, resiliência, perseverança, abordagem de divergências de forma a encontrar soluções em vez de encontrar falhas. Profissionais da área de gestão de pessoas precisarão também das seguintes competências para lidar com o Futuro do Trabalho:

Flexibilidade e adaptabilidade

Ser flexível e adaptável é algo que todos nós tivemos de nos acostumar nos últimos meses. Mas também é uma habilidade crucial que todo empregador estará atento.
Como as empresas em todo o mundo observam um aumento acentuado no número de funcionários que podem trabalhar em casa, é provável que essa nova forma de trabalhar perdure mesmo depois que a pandemia passar.

Se antes a flexibilidade no trabalho estava alinhada com a mobilidade geográfica, agora se trata de ter uma mentalidade aberta, poder trabalhar bem sob pressão, ajustar-se a novos e inesperados prazos, priorizar tarefas e, em alguns casos, assumir responsabilidades adicionais.

Pensamento crítico

Dados publicados pela Society for Human Resource Management (SHRM) descobriram que 37% dos empregadores consideraram a solução de problemas e o pensamento crítico entre os principais candidatos a habilidades sociais que faltavam. Não é diferente no caso da contratação de profissionais da área de RH.

Em uma era em que navegar por notícias falsas e dados contrastantes é uma luta diária, é fundamental que o RH seja capaz de pensar com clareza e racionalidade enquanto avalia objetivamente as informações para tomar decisões assertivas.

Bons pensadores críticos fazem perguntas que podem ajudá-los a se aprofundar um pouco mais sobre o tema, tais como: “o que está acontecendo?”, “Por que isso é importante?”, “Quem está sendo afetado?”, “De onde veio a informação?”, “Posso ter certeza sobre a fonte?”.

Conhecimento em tecnologia

Mesmo antes do coronavírus, a crescente lacuna de habilidades digitais era evidente na maioria dos colaboradores, incluindo pessoas na área de RH. Mas esse cenário tende a mudar no mundo pós-pandemia.
Embora seja improvável que você precise conhecer todos os sistemas ou plataformas, demonstrar um conhecimento de trabalho sólido de alfabetização em dados, programação de computadores, big data, nuvem, inteligência artificial (IA), blockchain e muito mais, ajudará você a elevar seu conhecimento e seu perfil profissional.

Comunicação e inteligência emocional

A comunicação e a inteligência social andam de mãos dadas. Ter boa inteligência emocional é estar ciente e demonstrar empatia pelas emoções e comportamentos dos outros, o que é crucial, especialmente quando as pessoas estão se sentindo desconfortáveis.

E é aqui também que boas habilidades de comunicação são críticas; como muitos de nós continuamos trabalhando em casa, a clareza nos e-mails e nas reuniões virtuais é essencial para consolidar a confiança e manter altos níveis de produtividade.

Nos últimos meses, tendo de lidar com decisões rápidas e com a dor e sofrimento dos colaboradores, a área de gestão de pessoas sentiu na pele o quanto essas competências são requeridas.

Criatividade e inovação

Embora tenhamos visto máquinas e tecnologias digitais assumirem funções em análises e operações de negócios, os seres humanos ainda são únicos por serem capazes de pensar fora da caixa. A criatividade não está apenas associada a profissões tipicamente criativas – é essencial em todos os setores e setores. Não fosse a criatividade do RH a cultura das empresas não seria assimilada nem seguida pelos milhares de trabalhadores home office; tampouco, as empresas teriam conseguido sobreviver à pandemia com seus ativos e valores fortalecidos.

Como observamos nesse e em outros artigos, o home office continuará a ser uma tendência nos próximos anos. Fique, portanto, atento às dicas que separamos para você estabelecer uma comunicação efetiva no trabalho remoto.