Como a Huddle, uma empresa de soluções gamificados de R&S, começou a atuar também no cenário de T&D

Artigo de Gabriela Viersa, da Huddle

Ninguém previu completamente a extensão da crise da Covid-19. No começo, a maioria achava o debate distante, até porque não parecia que o vírus sairia das fronteiras chinesas. Ledo engano, quando a China anunciou a descoberta do novo Coronavírus, muitos ao redor do mundo já estavam infectados.

As cenas dos próximos capítulos todos nos vivenciamos na pele. Governos decretando o afastamento social e uma série de negócios sendo impactados por essa decisão. A reação imediata de muitas empresas foi reagir depois do nocaute. Na Huddle, não foi diferente.

Como eu ouvi esses dias de um executivo, o ser humano consegue lidar com crises de viés econômico, sabemos que, ora ou outra, com os devidos remédios financeiros, o problema passará. O que pesa na atual crise é a incerteza. Ainda há entre os cientistas muita imprecisão no comportamento do vírus. E a aclamada cura parece ainda não ter sido encontrada. No entanto, precisamos reagir a essa situação, não há como manter o estado catatônico.

R&S além do currículo

Nos somos uma HR Tech cujo core business é a simulação de problemas gamificados. Nascemos com a ideia de incluir candidatos no processo seletivo de organizações; de analisar suas competências além do que é apresentado no currículo. Somos a Huddle além do currículo.

Na prática, fazemos o levantamento de comportamentos de candidatos por meio da gamificação em processo seletivo. São games baseados em enigmas, em perguntas e respostas, que por trás tem um sistema de inteligência artificial que monitora os comportamentos dos candidatos durante o jogo. Uma maneira mais interativa e inteligente de passar por essa análise, considerada por muitos candidatos como parte burocrática do processo de R&S.

Estávamos num momento de ascensão dos negócios quando a Covid-19 chegou e nos acertou em cheio. Com tantas incertezas, o mercado arrefeceu e praticamente parou com as contratações. Muitas vagas foram congeladas e outras deixaram de existir. Tínhamos de pensar num plano B.

Gamificação de treinamentos

Já tínhamos no nosso roadmap que, ao longo do ano, começaríamos testes para abrir a nossa plataforma às soluções de treinamento e desenvolvimento à distância. Aceleramos o passo num ritmo alucinado para colocar isso prática. Se antes tínhamos de três a quatro meses para começar a planejar essa transição, esse tempo foi encurtado para duas semanas.

Fizemos algumas adaptações na plataforma para transmitir qualquer tipo de conteúdo. A ideia é ajudar as empresas a treinar e manter informados, de forma interativa com a gamificação, seus colaboradores neste isolamento social. É uma maneira também das empresas estarem conectadas, manterem a cultura da empresa viva, mesmo separados fisicamente de seus profissionais.

Nessa jornada, várias empresas abriram as portas para que a gente consiga aprender juntos como lidar com esse novo desafio. As organizações trabalham com o conteúdo do treinamento e nós gamificamos o processo para aumentar o engajamento desse conteúdo.

No fundo, tornamos atividades pouco atrativas, que tem tudo para não dar certo, em tarefas mais cativantes. Se em treinamentos com interação física já há muita dispersão dos profissionais, imagina em conteúdos online. É preciso criatividade para ganhar a atenção do colaborador.

Desafios dessa nova abordagem

Estamos trocando o pneu com o carro andando, mas a equipe está confiante nessa nova solução do portifólio da Huddle. No entanto, enfrentamos alguns desafios naturais do mercado.

Grande concorrência

No cenário de treinamento e desenvolvimento a concorrência é muito maior. Há inúmeras empresas que fornecem soluções diversas para todos os tipos de problema. Já no universo do R&S, não há muitas empresas que disponibilizam uma plataforma gamificada como a nossa para uma boa experiência do candidato.
Estamos lidando com um contexto da grande concorrência. O que, por um lado é bom, afinal, vamos amadurecendo nesse processo. Ainda estamos descobrindo muita coisa, mas já sabemos que mesmo no cenário T&D a gamificação do problema também é um diferencial, poucas empresas atuam nessa linha.

Alta Customização

Um outro desafio é a alta customização dos produtos. Se no R&S essa atualização on demand dos produtos é suavizada, na área de T&D, a customização vem com força total. “Aqui, é tudo muito diferente das outras organizações”, escutamos muito de nossos clientes.

Todos querem personalizar o máximo possível de acordo com a sua cultura corporativa. O que não deixam de ter razão, afinal, nesse momento, os treinamento virtuais acabam sendo uma forma de manter a cultura da organização viva na casa de cada um dos colaboradores.

Por fim, gostaria de destacar que, apesar de iniciarmos a nossa atuação em T&D, continuamos nossa missão de recrutar candidatos além do currículo. Há ainda empresas, que apesar da pandemia, estão contratando com um processo 100% digital e usando nossa plataforma gamificada para encontrar os melhores profissionais, independentemente, de qualquer viés de raça, gênero, idade ou crédulo.