Custos financeiros, desperdício de tempo e abalos na imagem: confira o estrago de erros na contratação e fuja desse problema

Quando acontece uma fatalidade, é comum escutarmos que a pessoa estava no lugar errado e na hora errada. Infelizmente, é o que acontece com relativa frequência quando o assunto é contratação errada. Muito mais do que um mero deslize, admitir um colaborador que não se enquadra na cultura da organização ou tem desempenho abaixo do esperado pode acarretar uma série de contratempos.

Perda de dinheiro, desperdício de tempo e abalos na imagem são os principais problemas causados por uma contratação equivocada. Cabe ao RH deixar profissionais que não têm fit cultural bem longe do quadro de funcionários da empresa, mas como evitar equívocos na admissão? Este artigo visa auxiliar gestores de pessoas a desviar de armadilhas e aumentar as probabilidades de acerto. Abordamos algumas soluções para não deixar que uma contratação errada cause estragos em seu ambiente de negócios. Mas, antes de mais nada, como saber que você contratou erroneamente?

Como identificar uma contratação errada?

Da integração aos primeiros meses de experiência, é preciso estar atento ao profissional recém-admitido. Ele parece confortável com o ambiente e as políticas da empresa? Interage bem com superiores e colegas de trabalho? Relaciona-se amigavelmente com clientes? Entrega suas tarefas dentro do prazo estipulado e de acordo com o esperado? Seu desempenho está a contento?

Todas essas questões precisam ser levantadas e analisadas pelos gestores e o RH. O ideal é que todas elas tenham uma resposta positiva. Caso contrário, é preciso ter uma conversa de alinhamento com o colaborador. Se o “não” prevalecer, estamos diante de um cenário desafiador de uma possível contratação errada, que merece uma resposta rápida.

Consequências da má contratação

Caso a performance e o comportamento do colaborador não sejam adequados à empresa, não demore a fazer o desligamento. Isso porque uma contratação errada pode ter um impacto enorme, a começar pela questão financeira.

Custo financeiro

De acordo com uma publicação da Forbes baseada em relatórios do Ministério do Trabalho dos Estados Unidos, uma admissão malfeita custa 30% do salário anual de um colaborador. Pode não parecer muito à primeira vista, mas tem um efeito devastador em uma média empresa ou em uma startup.

Prejuízo à rotina organizacional

Muito mais do que repetir o processo de recrutamento e seleção, um funcionário desajustado pode afetar o clima organizacional. Isso porque colegas terão que trabalhar mais horas para treinar o recém-chegado ou mesmo cumprir o trabalho não entregue.

A médio prazo, a produtividade e a qualidade do trabalho da equipe podem despencar, interferindo ainda na motivação e bem-estar dos colaboradores envolvidos.

Alto turnover

Dificuldade em atrair novos candidatos e alto turnover são outras consequências de más escolhas na hora de selecionar profissionais. E em um mundo onde employer branding tem cada vez mais valor, pense só em como tudo isso prejudica a reputação da empresa.

Ao admitir, vale ainda ter atenção não apenas aos postos de comando, mas a todos os colaboradores, incluindo aqueles que lidam com o público, caso de recepcionistas e analistas de mídias sociais, por exemplo.

Como evitar uma contratação errada?

Para evitar gols contra e virar o jogo, apresentamos aqui algumas soluções contra recrutamento errado. Confira:

Fortaleça seu processo de recrutamento

Essa medida é essencial para driblar equívocos. Conte com uma equipe plural e multidisciplinar que apoie o RH na seleção e levante a bandeira vermelha quando perceber inconsistências nas hard ou nas soft skills dos candidatos.

Faça avaliações comportamentais durante o processo seletivo e analise detalhadamente as competências técnicas para não se deparar com surpresas desagradáveis.

Conte com a ajuda da tecnologia

Invista nas ferramentas digitais para diminuir as margens de erro e acelerar os processos. Plataformas de recrutamento como o VAGAS for business e entrevistas online são sempre bem-vindas. Acostume-se a elas.

Aposte em um bom programa de integração

Selecionou o candidato? Agora é hora de fazer o onboarding. Esforce-se para deixar bem claras as políticas e a cultura da empresa e fique de olho em como o funcionário recebe as informações e se comporta nos primeiros meses.

Verifique se há possibilidades de treinamento

O profissional anda pisando na bola. Ok, mas será que não é possível reverter a situação? Se for um problema leve de adaptação à cultura, o RH pode dar mais ferramentas para o colaborador se sentir melhor e potencializar seu desempenho.

Ou será que ele precisa apenas de um curso rápido para acelerar suas tarefas? Lembre-se de que o custo do turnover é significativo. Esgote suas tentativas antes de demitir alguém.

Capriche nas job descriptions

Tenha em mente que suas descrições de cargo precisam atrair candidatos de modo certeiro. Portanto, não faça rodeios e seja específico ao dizer que profissional você procura, o que espera dele e o que oferece, em contrapartida.

Alinhe as expectativas já nas primeiras fases de recrutamento. Além disso, antes de, efetivamente, contratar o colaborador, entre em contato com seus gestores anteriores e cheque as referências.

E aí? Achou este artigo válido? Então compartilhe! Se quiser ampliar ainda mais a produtividade no recrutamento, não perca este post sobre produtividade no recrutamento. Se a ideia é trazer mais diversidade para seu quadro de funcionários, leia ainda um artigo sobre a contratação de pessoas mais velhas