Considerada por muitos uma tarefa bastante complicada, a triagem de currículos pode ser mais bem conduzida. Acompanhe como neste artigo

Precisa de talentos para sua empresa? Então, prepare-se. Porque agora vem o momento de realizar a triagem de currículos. Para grande parte dos recrutadores, essa tarefa representa a parte mais complexa de todo o processo de recrutamento.

E isso está provado em estimativas. De acordo com um artigo publicado pela Ideal, companhia canadense que oferece suporte em inteligência artificial para recrutamento a diversas organizações mundo afora, a triagem de currículos demanda cerca de 23 horas por contratação. Um tempo considerável, não é?

Para cada oportunidade aberta, espera-se a chegada de 250 CVs, sendo que a média é que entre 75% e 88% deles estejam fora do perfil proposta para a vaga. Os números deixam claro por que 52% dos líderes de Talent Acquisition consideram essa etapa a mais dura de todas.

O que é triagem de currículos?

Mas, afinal de contas, o que é exatamente triagem de currículos? Trata-se de um processo de avaliação e escolha de candidatos, com base em sua educação, sua experiência e suas habilidades informadas nos CVs.
É preciso analisar uma a uma as opções, averiguando sua compatibilidade com o posto em aberto. Uma tarefa nada fácil até encontrar o match perfeito.

Qual é a importância?

É inegável que essa etapa é fundamental, tendo em vista o impacto que cada contratação pode causar ao time ou mesmo à empresa. Além do critério técnico que, obviamente, deve ser observado, os líderes de RH também precisam analisar as soft skills dos candidatos, antevendo se eles se adaptarão à cultura da companhia.

Quais os principais critérios de triagem de currículos?

Para dar fluência ao processo, a triagem de currículos costuma seguir alguns critérios. Especialistas afirmam que, normalmente, ocorre um processo de três passos. No primeiro, são analisadas as qualificações mínimas necessárias para a vaga. No segundo, deve-se checar as preferências apresentadas pelo candidato. E, no terceiro, fazer uma pequena lista dos talentos que valem a pena ser entrevistados. É claro que o perfil procurado deve estar descrito em detalhes na job description para evitar perda de tempo e minimizar o risco de admissões errôneas.

Os principais critérios para triagem de currículos são: escolaridade, experiência e traços de personalidade.

1. Escolaridade

O primeiro critério considerado costuma ser a escolaridade. É um item mais fácil de ser aferido e serve ainda como primeiro ponto de corte.

2. Experiência profissional

Normalmente, é requerido ao candidato um determinado período de experiência profissional para o preenchimento da vaga. Mas, aqui, além da checagem do tempo trabalhado, também é importante analisar a trajetória profissional em si.

Vale observar com cuidado cada empresa por qual passou o aspirante à vaga, quanto tempo durou cada experiência e se houve promoções ou efetivações.
Nessa fase também é válido, se possível, questionar como foi o relacionamento do candidato com pares, superiores e/ou liderados.

3. Traços de personalidade

À primeira vista subestimadas, as soft skills precisam ser encaradas como características importantes do candidato. Muitas vezes, são até utilizadas como critérios de desempate. Afinal, de nada adianta um profissional capacitado, mas que não saiba trabalhar em equipe ou não consiga se comunicar muito bem.

Como avaliar currículos recebidos sem vieses?

Embora os gestores devam ser extremamente analíticos ao analisar os currículos, cabe aqui lembrar que eles devem ser “cegos” a uma série de fatores. Isso porque, muitas vezes, mesmo que inconscientemente, alguns perfis costumam levar vantagem. E essa atenção deve começar ainda nos job descriptions.

Não determine gênero, bairro onde mora ou faculdades específicas, a não ser que isso seja absolutamente necessário para a execução do trabalho. Um artigo publicado na Harvard Business Review, chamado “7 maneiras práticas de reduzir vieses em seu processo de recrutamento” revela que, nos Estados Unidos, candidatos com nomes tradicionais como Emily e Greg costumam ser mais chamados para entrevistas do que os que foram batizados com alcunhas estrangeiras, como Latisha ou Jamal.

Para evitar problemas como esse, vale a utilização de softwares que se atentem apenas às qualidades indicadas nos CVs.

Como otimizar a triagem de currículos?

Como pudemos notar, a triagem de currículos exige tempo e esforço. A fim de tornar essa etapa do recrutamento mais fluida, apresentamos dicas. Confira a seguir:

Use tecnologias

O volume enorme de CVs sempre assusta, mas as tecnologias estão aí para facilitar esse processo. Use um programa de Applicant Tracking System (ATS). Ele, certamente, poupará tempo e esforço e acelerará as contratações, já que organiza os currículos e faz seleções de acordo com palavras-chave definidas para cada vaga.

Há hoje programas baseados em inteligência artificial, que tornam ainda mais assertivos os recrutamentos, pois aprofundam as análises dos currículos e armazenam dados.
Segundo o estudo da companhia canadense, mencionado no início deste artigo, quando utilizada, a inteligência artificial faz diminuir em 35% os erros na admissão e aumenta a receita por contratação em 4%.

Olhe além das aparências

Os candidatos estão atentos e procuram adaptar seus currículos de acordo com as preferências dos recrutadores. Cheque as informações para detectar incoerências e procure referências, como ex-chefes, para se certificar do desempenho ou comportamento do aspirante à vaga.

Uma olhada mais profunda ao currículo pode poupar muito tempo e acelerar as etapas seguintes.

 

Se você se interessou por esse assunto, vale ler outro artigo sobre como fazer a análise de currículos e selecionar os melhores candidatos. Veja ainda 12 dicas para recrutar mais rápido e melhor.