O domínio das ferramentas digitais abre caminhos para uma experiência do candidato mais personalizada

Inteligência artificial analisando candidatos, algoritmos os selecionando e a realidade aumentada ajudando novos profissionais a entender a cultura da empresa. Todos esses tipos de tecnologias estão disponíveis no mercado para recrutadores tornarem os processos seletivos digitais uma jornada prazerosa aos candidatos.

Mas até que ponto esses novos mecanismos ajudam ou afastam a essência humana do processo seletivo? Tudo depende da forma como as máquinas podem ser usadas estrategicamente pela equipe de Talent Acquisition para criar um diálogo mais aberto, ágil, dinâmico e humanizado com o candidato.

Para não errar a mão na hora de usar esses novos dispositivos, neste artigo, mergulharemos na evolução das práticas de recrutamento ao longo do século XXI e como isso mudou o comportamento do candidato.

Também mostraremos de que forma os recrutadores podem, com a ajuda da tecnologia, alavancar as melhores práticas de R&S e tornar o processo mais humanizado. Venha conosco nessa jornada!

A evolução dos processos seletivos no século XXI

Em pouco mais de vinte anos, observamos um salto tecnológico em todas as indústrias. Na área de recrutamento e seleção não foi diferente. Os recrutadores saíram do processo quase que artesanal de analisar currículos e selecionar os melhores perfis de profissionais para uma jornada mais digital e inclusiva.]

Segundo o relatório The Future of HR 2019 , publicado pela consultoria KPMG, dois terços dos profissionais de RH globais concordam que o RH e a área de R&S está passando por uma transformação digital. No entanto, apenas 40% se dizem preparados para lidar com essas mudanças e acompanhar a evolução das tecnologias.

Quando questionados sobre as tecnologias adotadas em suas empresas, estas foram as respostas:

  • 20% acreditam que as tecnologias de analytics serão decisivas para os próximos anos no RH;
  • 49% já utilizam um sistema HCM (Human Capital Management ou Gestão de Capital Humano);
  • 32% investiram em soluções na nuvem para o RH;
  • 60% pretendem investir em análise preditiva nos próximos dois anos;
  • 53% pretendem investir em automação de processos avançada;
  • 47% pretendem investir em inteligência artificial.

Na era de ATS, IA e algoritmos, a tecnologia não só torna o recrutamento mais fácil como também imprime um toque pessoal e mais humano ao processo. Como?

Ao eliminar tarefas repetitiva dos recrutadores e automatizar alguns processos, sobra mais tempo para que os profissionais de Talent Acquisition desenhem uma jornada do candidato mais eficiente, com alguns pontos de contato com o candidato. Uma comunicação que nem sempre era tão clara nos moldes de antigos.

O fator humano ainda é fundamental

O domínio das ferramentas digitais abre novos caminhos para os recrutadores. Ao digitalizar certas tarefas de recrutamento, os gerentes de RH podem se concentrar em missões com alto valor agregado, como entrevistas de emprego ou gerenciamento de mudanças.

Como resultado, uma estratégia digital devidamente organizada pode ajudar as empresas a garantir que os pontos fortes humanos continuem sendo uma parte fundamental da função de RH.

Por exemplo, quando você está interessado em contratar alguém, é importante permitir que ele se comunique com uma pessoa real por meio do endereço de e-mail desse profissional. Afinal de contas, ninguém quer enviar suas referências para o endereço de e-mail “info” da sua empresa. Um único ponto de contato durante todo o processo permite que eles saibam que você os considera um candidato viável, digno de seu tempo e consideração.

Se um processo de recrutamento carece de interação pessoal, os candidatos podem presumir que, uma vez contratados, serão apenas mais uma peça na máquina. E essa não é uma boa impressão se você está procurando funcionários que possam se destacar.

Processos seletivos digitais e os novos comportamentos de candidatos

A tecnologia digital não só revolucionou os hábitos de recrutamento como também dos candidatos. Os profissionais se tornaram mais participantes e ativos na escolha.

O candidato de hoje elabora estratégias digitais para identificar e avaliar a marca empregadora. Este profissional pesquisa o histórico da empresa, quais são as práticas ESG dela e como a organização é vista por atuais e ex-funcionários. O simples envio de currículo não é mais prática dos profissionais mais bem quistos no mercado.

Compreender e dominar as sutilezas do recrutamento e dos candidatos, não é só bom para o seu recrutamento, mas também para a imagem da organização. De acordo com um estudo, 80% dos candidatos que passam por um processo de recrutamento insatisfatório falam abertamente sobre essa experiência ruim às outras pessoas. Um terço desses candidatos faz isso de maneira proativa. Personalizar o processo, portanto, ajuda na qualidade do candidato, criar um pipeline de futuras contratações e faz sua marca parecer bem polida e atraente para funcionários em potencial.

Para garantir o sucesso dessa  transição, é imperativo que os recrutadores se concentrem no seguinte:

  • Personalização da experiência do candidato com uma abordagem humana
  • Aumentando seu envolvimento e compreensão das tecnologias de recrutamento
  • Utilizando ferramentas de videoconferência e comunicações automatizadas, mas personalizadas
  • Criação de uma estratégia de marketing de recrutamento
  • Desenvolvendo uma marca forte de empregador
  • Desenvolver um plano de mobilidade de talentos que forneça desenvolvimento de carreira personalizado

 

Dicas para tornar a tecnologia uma aliada no seu processo seletivo

Agora que você já sabe como as novas experiências digitais podem ajudar no seu recrutamento e a sua marca empregadora, é hora observar algumas dicas e aplicá-las no dia a dia da sua organização. Confira!

Forneça cronogramas

Desde a triagem inicial até as entrevistas finais, é importante que o candidato saiba o que esperar e quando. Ninguém quer ficar parado, imaginando se eles devem entrar em contato com você para ver se o trabalho ainda está disponível.

Deixar um candidato saber quanto tempo levarão as entrevistas e quando ele pode esperar uma decisão é uma cortesia simples que pode fazer uma grande diferença. Coloque a data em seu calendário e, se você não vai cumpri-la, mantenha o candidato informado.

O acompanhamento em todas as fases mantém o processo de personalização em andamento.

Seja verdadeiro nos processos seletivos digitais

A melhor parte de estar envolvido na contratação é dar um emprego a alguém. A pior parte é dizer a alguém que não foi aprovado, mas faz parte do trabalho. Ignorar aqueles que passaram algum tempo se reunindo com você pode parecer pouco profissional e rude, e leva a essas avaliações on-line ruins mencionadas anteriormente.

Seja honesto com aqueles que não foram contratados para a vaga que você está tentando preencher hoje. Se eles eram bons candidatos, mas foram eliminados por alguém com um pouco mais, discuta possíveis vagas no futuro. Certifique-se de manter a porta aberta para bons talentos.

Afirme sua marca empregadora

Criar uma marca empregadora atraente na Internet e nas redes sociais é a chave do recrutamento digital. O objetivo é atrair a fidelidade de talentos cujas expectativas correspondam à cultura da empresa.

Os recrutadores precisam dar um passo adiante em sua abordagem digital e se perguntar quais são os valores e práticas fundamentais dentro da empresa que geram satisfação para os funcionários. Ao questionar os funcionários em todas as áreas de atividade, os departamentos de RH podem usar esses critérios para encontrar e atrair o talento certo.

Personalize e monitore as páginas de empresa

Esse é um ponto importante para a reputação da marca empregadora. Mas, um dos benefícios do mundo digital é a facilidade de obter informações, e os candidatos irão buscar conhecer mais sobre a sua empresa em todos os canais.

Ao monitorar esses canais, interagir com os comentários, divulgar ações internas e os valores da empresa, o setor de recursos humanos irá evidenciar a cultura e o clima organizacional da empresa. Por consequência, essas informações são levadas em consideração pelos candidatos que estão participando de processo seletivo.

E aí você já sabe agora como humanizar o seu processo seletivo digital? Que tal, então, conferir o artigo Como Colocar o Humano no Centro dos Recursos Humanos?