Recrutamento requer estratégias que contemplem grupos de minoria

Um processo seletivo inclusivo é sinônimo de acesso a oportunidades de grupos minoritários, de diferentes gêneros, raças, orientações sexuais e origens sociais, no mercado de trabalho. Para recrutadores, a missão de incluí-los se inicia no momento de estabelecer os critérios da vaga, passa pela forma de anunciá-la e, claro, pela seleção propriamente.

Para tanto, uma série de ferramentas e estratégias podem ser usadas a fim de comunicar corretamente aos candidatos de que forma a organização se alinha à pauta da pluralidade não como algo que é feito por obrigação da lei ou por mera publicidade, mas com impacto direto na sociedade. Neste artigo, você terá 3 dicas de plataformas de otimização da experiência de contratação de candidatos diversos, uma ação que tem potencial transformador dentro do ambiente corporativo.

Dicas para um processo seletivo inclusivo

A preocupação das empresas em garantir diversidade gera uma teia de esforços do RH tanto para promover cultura inclusiva entre os funcionários quanto para recrutar talentos que se enquadrem na multiplicidade de perfis que as organizações têm buscado.

Anúncio inclusivo e sem viés discriminatório

O primeiro contato dos candidatos com o detalhamento da vaga está sob esse segundo aspecto. Por essa razão, quando estamos falando de anúncio de vaga inclusiva, é fundamental que se apresente quais são o que a empresa faz de verdade pela inclusão. Se a organização tem programas exclusivos de contratação – vagas só para mulheres, por exemplo — ou mesmo se tem entidades de responsabilidade social e consultorias aliadas na área de recrutamento, mostre isso ao candidato.

A linguagem precisa ser convidativa para que quem concorre à vaga se sinta acolhido, entendendo que a oportunidade também pode ser dele. Tente usar gênero neutro (evite o “ele” ou “ela”). No recrutamento de grupos minoritários, vale atenção às solicitações específicas que podem ter viés discriminatório, relacionadas a nível de formação, experiência em determinadas atribuições, por exemplo. São observações a que recrutadores devem estar atentos, para que a condução do processo seletivo seja mais justa desde o começo.

Acessibilidade no processo seletivo

Entre muitas ferramentas de recrutamento e seleção, as que dão suporte ao candidato com deficiência são essenciais para melhorar a experiência dele neste contato com o profissional de RH. A Maya, um plugin da HandTalk que faz a interpretação de Libras e garante a acessibilidade digital de pessoas surdas em nossos canais é uma delas. Maya é um exemplo de que adaptações que proporcionam autonomia na busca de emprego são um dos pontos de atenção em processos seletivos plurais.

Identidade do candidato para inclusão

Processos mais acurados se baseiam em valores éticos e conscientes e, quando se pede para que o candidato declare a identidade – se é PCD, negro, mulher, entre outros recortes – deve-se levar em conta que esse critério é sempre de inclusão, nunca de exclusão.

Esse mecanismo é garantido para pessoas negras, por exemplo, pelo recurso de autodeclaração racial do VAGAS for Business. Nele, a empresa contratante passa a ter o critério racial como parte do processo seletivo, mediante assinatura de um termo de responsabilidade – um compromisso afirmativo para que a diversidade e a inclusão sejam construídas reparando a disparidade racial que encontramos no ambiente corporativo.

 

Gostou do texto? Então aproveite e veja mais sobre diversidade e inclusão no RH.