De greves e manifestações trabalhistas a shows musicais, veja como as comemorações do dia do trabalho sofreram alterações ao longo dos anos

 

O dia do trabalho, ou dia do trabalhador, é a data em que são celebradas as lutas e conquistas históricas dos trabalhadores e do movimento trabalhista.

Em muitos países, como é o caso no Brasil, essa data é celebrada no dia 1º de maio. A nossa comemoração tupiniquim, em geral, é marcada por grandes shows musicais promovidos nas maiores metrópoles brasileiras pelas centrais sindicais. No entanto, poucos conhecem, de fato, a história e as curiosidades que estão por trás dessa data.

Você sabia, por exemplo, que o dia é inspirado em um movimento trabalhista ocorrido nos EUA? Todavia, na terra do Tio Sam, o Dia do Trabalhador não é celebrado em maio, mas sim em setembro 

Ficou curioso? Quer saber mais sobre essas e outras peculiaridades da data? Então, confira nossa reportagem especial sobre essa celebração.

Veja também: Conheça os diversos tipos de contrato de trabalho 

O que é o Dia do Trabalho?

O primeiro de maio, em sua concepção original, é a data em que profissionais celebram as conquistas trabalhistas almejadas ao longo da história.

A história da data remete aos séculos XVII e XIX. Com o crescimento da atividade industrial, surgiu também o movimento operário — um grupo de trabalhadores que usavam a greve como ferramenta para reivindicar melhores condições de trabalho. 

No Brasil, há indícios de protestos pontuais realizados ainda no fim do século XIX. O mais usual deles é o que ocorreu na cidade de Santos, em 1895, por iniciativa do Centro Socialista de Santos junto aos trabalhadores portuários.

Porque o Dia 1 de maio é comemorado o Dia do Trabalho?

Como já mencionado, para a maioria dos países, o dia do trabalhador é celebrado em 1º de maio. Mas por que a data foi escolhida? Qual foi a luta histórica dos trabalhadores conquistada no dia 1º de maio?

Para entender como essa data surgiu precisamos voltar alguns séculos na História. Ainda durante a Primeira Revolução Industrial, movimentos de trabalhadores descontentes com a situação operária começaram a surgir na Inglaterra, país que deu o pontapé ao processo de industrialização. Os primeiros indícios de união entre trabalhadores aparecem com a quebra de máquinas fabris como forma de resistência. 

O movimento conhecido como ludismo, do início do século XIX reivindicava não só melhores condições de trabalho, mas também estabilidade nos empregos. À época, máquinas mais modernas faziam trabalho que até então era manual ­e alguns trabalhadores haviam sido demitidos — situação similar ao que vivemos nos tempos atuais com a digitalização dos processos.

O movimento social trabalhista, dada as restrições da época, ficou por um tempo circunscrito à Europa. Contudo, durante a Segunda Revolução Industrial, em meados do século XIX, começaram a surgir movimentos sindicais em outros países industrializados. 

Em um contexto de ebulição social, no dia primeiro de maio de 1886, na cidade de Chicago (EUA), um grande centro industrial à época, trabalhadores foram às ruas e fizeram uma greve geral para protestar contra uma jornada de trabalho exaustiva. Pasmem, naquele tempo, eles chegavam a trabalhar até 17h por dia. O slogan do movimento era: “diária de oito horas sem redução no pagamento”. 

Há quem conte que na mesma data outros trabalhadores americanos também resolveram seguir o grupo e realizaram uma greve geral no país. Esse conjunto de manifestações pelos EUA foi batizado de Revolta de Haymarket, em alusão ao nome da Haymarket Square, em Chicago, onde eclodiu uma bomba que marcou os protestos

Apesar da forte repressão policial, os manifestantes seguiram unidos nas reivindicações e a greve se estendeu por alguns dias. A Revolta de Haymarket permaneceu no imaginário coletivo e, em 23 de abril de 1919, a França decidiu decretar 1º de maio como feriado nacional. Logo após, diversos países passaram a adotar a data como dia oficial do trabalhador.

Como surgiu o Dia do Trabalho no Brasil?

A exemplo da França, o Brasil oficializou o 1º de maio como Dia do trabalho, em 1925, por um decreto do então presidente Artur Bernardes.

O primeiro de maio ainda ficou marcado no Brasil por outras duas grandes vitórias trabalhistas:

  • em 1940, Getúlio Vargas, na época presidente do Brasil, anunciou naquele 1° de maio que seria instituído o salário-mínimo brasileiro, cerca de 240 mil réis (moeda da época).
  • um ano depois, em 1941, Vargas, que entrou para a história brasileira como o “pai das leis do trabalho”, instituiu a criação da Justiça do Trabalho no primeiro de maio.

De acordo com o site História Digital, Vargas acabou descaracterizando a data, pois sempre apresentava boas notícias aos trabalhadores no primeiro de maio. Piquetes e protestos para lembrar das lutas trabalhistas foram deixados de lado. O Dia do Trabalhador passou a ser comemorado com festas populares, desfiles e celebrações similares como as que são celebradas hoje em dia pelas centrais sindicais.

Como é a comemoração nos EUA?

Apesar do primeiro de maio se referir a um episódio dos trabalhadores ocorrido nos EUA, por lá, a data é celebrada anualmente na primeira segunda-feira do mês de setembro e também perdeu o sentido original de celebrar as conquistas históricas dos trabalhadores.

Conhecido como Labor Day, o Dia do Trabalhador nos EUA em nada lembra os protestos de Chicago. A data por lá marca a celebração do fim do verão no país, um momento em que há férias escolares e muitos americanos tiram um tempo de folga para viajar.

A comemoração é marcada por festas, desfiles, paradas, discursos, eventos esportivos, piqueniques, churrascos e queima de fogos. Após essa celebração, há a retomada do calendário escolar nos EUA. 

É Dia do Trabalho ou do Trabalhador?

De acordo com uma reportagem da BBC News Brasil, a mudança do nome do Dia do Trabalhador para o Dia do Trabalho, no Brasil, se deu por conta das alterações legislativas propostas na Era Vargas.

A matéria destaca, com entrevista de historiadores, como Getúlio Vargas mudou o protagonismo da data que deixou de ser o Dia do Trabalhador para se tornar o Dia do Trabalho.

“No projeto getulista, a manifestação que era dos trabalhadores, revolucionários, para exigir direitos, se transformou em uma festa do trabalho, na qual se homenageia não exatamente o trabalhador, mas sim a categoria básica do mundo capitalista e do estado autoritário de Vargas: o trabalho”, disse à BBC News Brasil o historiador, sociólogo e antropólogo Claudio Bertolli Filho.

Qual a importância de comemorar esse dia?

Como destacado na reportagem, a data relembra todas as conquistas históricas dos trabalhadores. Mas, de fato, o sangue, suor e lágrimas do 1º de maio ficaram para trás. Nos tempos modernos, os trabalhadores celebram no estilo Getúlio Vargas a data, o que também não deixa de relembrar a relevância do movimento trabalhista.

No entanto, poucas empresas no Brasil ainda comemoram o Dia do Trabalho quando comparado com outras datas do calendário anual como o Dia das Mulheres, Dia dos Pais ou Dia das Mães. Mas já há iniciativas para oferecer atividades/presentes aos colaboradores em comemoração ao dia primeiro de maio.

Gostou desta reportagem? Que tal acompanhar conquistas históricas das mulheres no mercado de trabalho? Confira, então, o artigo “A evolução das Mulheres no Mercado de Trabalho”!