Absenteísmo no trabalho é um problema que pode afetar tanto a produtividade de quem deve se engajar nas tarefas quanto os resultados esperados pela instituição.

As alegações sobre as faltas no trabalho são variadas, justificáveis ou não, tendo diferentes motivações. Cabe ao RH e aos gestores das áreas entenderem o porquê das faltas e tomarem medidas para diminuir sua ocorrência e seus impactos.

Para saber mais sobre o absenteísmo, seus os motivos, as consequências para a empresa e como reduzi-lo, continue lendo.

O que é absenteísmo na empresa

O ato de faltar ou se atrasar continuamente no trabalho constitui o absenteísmo na empresa. Ele pode acontecer por diversas razões, desde questões familiares ou de saúde até razões emocionais que impedem o colaborador de ir trabalhar.

Quando um funcionário se ausenta, o funcionamento de sua equipe e da empresa é alterado. De última hora, estratégias precisam ser pensadas e implantadas, elevando as chances de algum percalço surgir no caminho.

Cabe à empresa, então, entender o porquê da constante falta de alguns colaboradores, uma vez que o negócio é diretamente afetado.

Impactos e consequências

Quando um colaborador desfalca seu time e a empresa, as consequências são diversas:

  • tarefas acumuladas;
  • funcionários sobrecarregados;
  • suposições de constantes faltas podem gerar um ambiente hostil;
  • processos mais demorados;
  • cultura e valores da organização são questionados;
  • colaboradores desconfortáveis;
  • queda na produção;
  • finanças da empresa alteradas.

Desse modo, medidas educativas não ajudam apenas no controle da taxa de absenteísmo para evitar tais consequências, mas também promovem a cultura da empresa. Assim, servem para relembrar cada colaborador do fit cultural com a companhia e também fortalecer a imagem da marca empregadora.

Tipos de absenteísmo

Existem diversos tipos de absenteísmo:

  • Voluntário: o profissional não justifica sua ausência no trabalho;
  • Por doença: a falta é justificada por atestado médico, no caso de alguma doença ou até mesmo algum procedimento cirúrgico;
  • Devido a doença desencadeada pelo trabalho: o profissional adquiriu alguma doença ou se acidentou no próprio trabalho;
  • Motivos legais: o colaborador se ausenta e é resguardado pela justiça, como licença-maternidade, licença-paternidade, doação de sangue, apresentação ao serviço militar, etc;
  • Compulsório: o profissional não consegue chegar ao trabalho, seja por cumprimento de suspensão dado por superiores, porque está preso, por conta de algum acidente no trânsito, não funcionamento de transportes públicos, etc.

Se a empresa estabelece uma relação mais próxima com o funcionário, ou seja, se trabalha efetivamente seu employer branding, fica mais fácil descobrir os motivos que causam os tipos de absenteísmo.

Por que as pessoas faltam ao trabalho?

No Brasil, pesquisa realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde aponta que as principais causas de absenteísmo são gripes e resfriados, na casa dos 17%, seguidas por dores nas costas, na nuca, no pescoço, nos braços e nas mãos.

Isso nos leva a pensar que a saúde dos trabalhadores está fragilizada e os motivos podem ser vários: imunidade baixa por alimentação desregrada, falta de exercícios físicos, displicência em consultas médicas de rotina, muitas horas-extras, falta de materiais ergonomicamente adequados para o trabalho, estresse por conta do demorado deslocamento até a empresa, ambiente de trabalho hostil e até mesmo situações constrangedoras, como assédio moral, sexual e bullying.

Segundo dados do Career Builder, 40% das pessoas que alegam algum tipo de doença como justificativa do absenteísmo, não estavam doentes, na verdade.

Mentiras para faltar no trabalho

Se é alto o número de faltosos que estão mentindo aos seus colegas de trabalho sobre o motivo do não comparecimento, é interessante investigar por que as pessoas faltam e por que escondem o real motivo.

A mesma pesquisa aponta que 28% dos trabalhadores que tinham saldo suficiente em seus bancos de horas, inventam alguma desculpa para tirar o dia que têm por direito, pois julgam que o simples fato de terem um dia de folga não é um bom argumento.

Diante desse dado, é relevante que as empresas olhem para a organização e ponderem como anda o ambiente de trabalho, uma vez que, mesmo quando lhes é direito o dia off, os funcionários sentem que precisam justificar o não comparecimento ao trabalho.

Para conduzir a apuração das causas, vale disparar pesquisas com participação anônima sobre o clima organizacional, colocar uma pessoa do RH como ponto focal para quem quiser relatar situações constrangedoras, que podem tirar a vontade do colaborador de ir à empresa.

Isto é, vale a empresa, realmente, se colocar à disposição para descobrir o que está motivando faltas que parecem injustificadas.

O que a lei determina sobre faltas ao trabalho

Nos casos justificados pela lei, cada um tem sua particularidade perante a CLT. Por exemplo:

  • Quando um colaborador casa, tem direito a três dias de ausência sem prejuízo ao salário;
  • Ao prestar vestibular, o funcionário pode faltar nos dias que fizer o exame;
  • Quando o cônjuge ou parente próximo falece, tem direito a três dias de luto;
  • Gestantes podem se ausentar o tempo necessário para realizar consultas e exames complementares.

As medidas constam no artigo 473 da CLT e, a última, no artigo 392.

Sendo assim, esclareça os direitos e os deveres aos colaboradores da empresa. Quando esses pontos ficam claros para todos e eles sabem o que lhes é permitido por lei, o ambiente tende a ser mais leve e as faltas podem diminuir.

Como reduzir o absenteísmo no trabalho

Considerando as diversas causas que podem promover o absenteísmo em sua empresa, trouxemos algumas ações que se voltam tanto para o bem-estar físico quanto mental dos colaboradores.

Ginástica laboral

A ginástica laboral é um ótimo recurso para incentivar os funcionários a se exercitarem, e ainda conta com a supervisão de um profissional.

De intensidade leve, ajuda no alongamento e ainda dá alguns minutinhos de respiro das atividades cotidianas que muitas vezes nos fazem entrar no automático.

Fazer uma pausa descontraída e ainda se movimentar é a junção dos mundos perfeitos, promovendo saúde mental e física aos trabalhadores.

Palestras e workshops

Se, depois das investigações, você descobriu que o absenteísmo de muitos dos colaboradores é motivado por questões de saúde, é relevante promover palestras e workshops sobre estilo de vida saudável, práticas alimentares benéficas, dicas para aumentar a imunidade, etc.

Lembretes de checkup

Nunca é demais relembrar os cuidados com a saúde. Ações de endomarketing, como lembretes via e-mail, sobre consultas anuais e exames de checkup, são exemplos de ações válidas para a redução da taxa de absenteísmo.

Fornecimento de materiais de trabalho adequados

Más condições de trabalho estão diretamente conectadas com faltas ao trabalho, uma vez que cadeiras desconfortáveis e suportes de computadores em altura inadequada causam dores e podem levar a problemas mais sérios.

Portanto, invista em materiais de trabalho adequados para seu quadro de funcionários. Isso também é um investimento no colaborador e, então, na empresa.

Escuta genuína para funcionários

Estar atento ao que os funcionários vivenciam diariamente é imprescindível para garantir o bem-estar emocional deles. Como não é possível estar com todos no trato cotidiano, é de extrema importância que se tenha um canal de escuta ao qual os colaboradores possam recorrer sempre que necessário.

Instalar esse meio, alimentando sua importância por meio de comunicações internas e encorajando as pessoas a se posicionarem, fará com que atitudes desrespeitosas e que geram constrangimento seja banidas da empresa.

Assim, quanto mais cedo esse tipo de situação for sanada, menos frustrado, traumatizado e constrangido o colaborador ficará.

Home office

Muitas vezes a locomoção casa-trabalho-casa é muito demorada e as condições de trânsito e transporte público das grandes metrópoles tampouco são animadoras.

A Pesquisa Origem e Destino do Metrô de São Paulo aponta que, em média, cada pessoa leva 60 minutos para se locomover quando utiliza um meio coletivo. Isto é, gasta-se duas horas no trânsito além das 8 horas trabalhadas. Bastante cansativo, não?

Assim, pensar alternativas para otimizar o bem-estar e a produtividade do trabalhador é uma saída. Considere implementar o esquema home office ao menos uma vez na semana. Isso dará ânimo ao trabalhador, que, com certeza, ficará mais descansado ao iniciar sua jornada.

Para fazê-lo com efetividade, é importante conversar com o time de infraestrutura, uma vez que a segurança da informação no home office deve ser considerada.

Além disso, reforços positivos, como artigos ou vídeos que mostram como ter bom desempenho também são bem-vindos, caso essa não seja uma prática habitual na sua empresa.

Como calcular a taxa de absenteísmo

A Associação Brasileira de Controle da Qualidade (ABCQ) aponta que o nível máximo de absenteísmo na empresa não deve passar dos 1,5%.

Para calcular a taxa e saber como sua empresa anda no quesito, é muito simples. O primeiro passo é calcular o total de horas perdidas no mês, contabilizando faltas, atrasos e saídas antecipadas.

Depois, calcule o total de horas que deveriam ter sido trabalhadas – para isso, você precisa fazer a seguinte conta: número de trabalhadores x horas a serem trabalhadas por dia x número de dias úteis no mês.

Com esses dois dados, a conta final é: horas perdidas / por horas que deveriam ter sido cumpridas. Pegue o resultado, multiplique por cem e tenha a taxa de absenteísmo!

Vamos a um exemplo: imagine que você calculou 35 horas perdidas no mês. Na empresa, há 40 colaboradores que trabalham 8 horas diariamente e no mês em questão há 20 dias úteis.

Portanto: 40 x 8 x 20 = 6.400 horas

Logo: 35 / 6.400 = 0,005

Então: 0,005 x 100 = 0,5% é a taxa da empresa, o que está dentro do padrão delimitado pela ABCQ.

Como prevenir

Para prevenir o absenteísmo entre os funcionários que já colaboram com a empresa, é preciso manter uma comunicação transparente. Desse modo, caso haja algum problema que o time de Recursos Humanos não esteja ciente, o funcionário se sentirá à vontade para trazê-lo.

Outra vantagem da comunicação efetiva é deixar claro quais são as condutas da empresa em casos de falta – advertências, descontos em folha para faltas não justificadas, reposição de horas – e quais medidas o funcionário também deve tomar – quem avisar, por quais meios, como apresentar atestados médicos, etc.

Para os futuros colaboradores, o time de R&S pode já deixar claro desde o início do processo qual é a diretriz da empresa e sentir como os candidatos se sentem em relação a isso.

Agora que você já sabe o que é e como lidar com o absenteísmo, saiba mais sobre a importância de ter um RH estratégico atuando na empresa e como isso pode impactar o negócio!